blog de Escritor: Edson Fernando



(interação: Aperte CTRL + ou CTRL - para ajustar o modo de visualização)
Aproveitando as imensas facilidades do mundo on line e, também, aproveitando o imenso conteúdo que tenho de material escrito, resolvi transcrever uns livros on line.
É um projeto longo, acho que vai levar um tempo, mas as semente foram lançadas. E ora, os frutos, os frutos serão os mais variados possíveis, como agregar novos leitores e aumentar a minha visibilidade,além de proporcionar um pouco de diversão e cultura gratuitamente a todos vocês.Espero que gostem!

Boa Leitura, Leitores Amigos.

Esta publicação confirma a minha propriedade do Web site e que este Web
site respeita as políticas do programa e os Termos de utilização do Google
AdSense. partner-pub-0072061571065124

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.






Visualizar perfil de Edson Souza no LinkedIn




Translate

Pesquisar este blog

Seja Bem Vindo, Amigo, Por Muito Tempo Lhe Esperei, agora, Fique à Vontade!

sábado, 29 de junho de 2013

Poesia Que te Sirva, Algum Dia

poesias inéditas, escritas unicamente em ambiente on line.

O Atraso do Tempo

 

Ampulheta dispunha da precisão 

sempre a contar o seu mesmo 

tempo - em suas areias em grãos


Contida era a exatidão em seu ciclo [tempo-perfeito]

diferente das medidas de tempo que

temos por esses dias, desses relentos.


Sentimos o atraso do tempo [distanciam-nos] : em sons,

no atraso dos teus pedidos, da não mais

volta dos que foram todos, em partidos.


Quando parece que o tempo abstraiu-se em factuais partes;

Que faça-se dele, ao menos o teu, um grande retrato

o que o traga ao seu lado, e sem recato. 

 

Pois o tempo só voltará a contar como se deve, 

quando compreendermos seu enleve: 

"Na perfeita contagem imperfeita das horas,

Só quem é Senhor O faz e não demora."


No mais, faça o quanto a mais

lhe couber de cada minutos.

Assim os valiosos segundos

serão tirados de ti? Jamais.




Charles Town


I

Cheguei até a conhecer essa cidade, charlestom, mas não pude viver nela.

Eu não era de charlestom, não era, pois agora acho que sou,

e em charlestom só pode morar quem nasce lá,

recentemente descobri que posso ser um charlestoniano,

mas agora não estou mas nesta cidade,

que agora, vocês também conhecerão um pouco. 


II

Encruzilhada entre o lugar que não há e o lugar de onde todos viemos, 

Lá, bem lá, neste entroncamento inusitado fica a famosa Charles Town,

um lugar fabuloso, onde aquilo que se quer

vem até você. As coisas simplesmente acontecem por lá.

Sempre. Não há absolutamente uma única vontade que não venha a ser realizada

em charlestom, nenhuma, lá tudo acontece. sempre e mais uma vez depois.


III

Charles Town é o sonho que sempre se realiza, se um belo dia você acordar

cansado de dormir sozinho, basta pensar em namoro ou casamento,

que logo ao sair a rua, irá encontrar

várias pretendentes, para que escolha

ao seu único e exclusivo gosto pessoal.

O mesmo vale para QUALQUER outra coisa,

quer automóvel? Deve então querer um emprego antes, não acha?

Pois bem, que seja, se quer emprego para comprar um carro,

assim que sair a rua, várias propostas de emprego lhe serão ditas,

ou mesmo receberá o convite do dono da empresa,

você certamente se sentiria querido(a) em charlestown;

e é sempre assim por lá, sempre, nunca falha,

e muitas vezes, acontece melhor do que a se esperava.

Por exemplo, no exemplo do carro


Além de obter o emprego e poder comprar o carro, por vezes, 

ao se querer o carro, o que pode ocorrer,

é achar um emprego que o empregador

já ofereça o carro ou mesmo ganhar um

em um sorteio, que estivesse concorrendo.


Pode parecer mentira,

mas em Charles Town,

todas as coisas são assim.


IV 

as seres de lá funcionam em conjuntos,

todos estão em sintonia e desejam coisas semelhantes,

essas coisas se unem e se intensificam

crescem, se espalham e quando vemos

já está acontecendo e o sonho se realizou,

é sempre assim.

 

Só que em Charles Town só pode viver quem é de lá.

 

E nenhum sonho lá nunca se perde.

 

E eu fui visitar esta cidade

um vez quando meu zepelim

acabou caindo em uma mata próxima

ao lugar de onde todos nós viemos,

e eu fui visitar esta cidade,

cheguei em meio a uma tempestade

torrencial, que desabava nuvens e estrelas, 

e os seres terrorizados, nem se davam conta que eu não era de lá,

e por lá fui ficando, mesmo quando a chuva parou,

e a maioria das famílias de lá, conseguiram salvar as 

suas casas das muitas águas, das nuvens e da queda das estrelas. Mas

Algumas família tiveram seus familiares perdidos

e muitas das pessoas dessas famílias acharam que

eu era primo, tio, sogro deles, que havia

tido meu semblante modificado, por causa de tanta chuva e nuvens e queda de estrelas.

 

E nesta cidade tudo que se deseja se tem.

 

VI

E eu desejava família, desejava, glória,  

desejava um lar, onde todos precisassem de mim e eu precisasse deles, desejava 

lazer, paz, harmonia, amor, compreensão, 

e todas essas coisas eu tinha,

mas os outros também desejavam coisas.

Minha família queria um charlestowniano modelo,

queriam um deles, com suas orelhas

pontudas, seus narizes bem finos e delicados,

suas sobrancelhas espessas com cores exóticas e brilho próprio,

e como eu? um pobre daqui, de onde a Terra-Come, iria passar por um modelo,

e nem desejei, eu nem quis, um belo dia,

cansado de não ser o que eles queriam,

resolvi, decidi desejar,

e decidi que meu zepelim fosse arrumado.

Não tardou algumas horas, vieram me avisar,

 

VII

Tinham achado um zepelim e o tinham

consertado, estava danificado, agora

brilhava de novo, como o sol da manhã,

e disseram que tinha uma foto minha nele,

e que assim eu não poderia

 mais ficar por lá,

por eu não ser um 

charlestoniano deformado pelas águas, pelas nuvens e pelas estrelas.   

A felicidade era geral, era o que minha família queria,

e eu estava feliz, pois finalmente os vi felizes

e parti, quando vi que era a hora.

 

VIII

E assim peguei meu dirigível e fui-me embora, parece que ouvi festas ao longe

mas isso pode ser fruto de minha mente

cansada de tanto viver em meio a alegria e ao contentamento.

parti, voltei a terra e aqui estou novamente, lhes contando isso.

 

Mas lembram-se que eu dizia que achava que era de lá, de charlestom, pois bem,

foi ontem, em uma linda noite de amor pleno,

reparei que meu corpo começou a brilhar 

a emanar a energia dos charlestownianos, e eu acho que me tornei de lá...

 

Família, lá..., pode ter sido isso, criei laços. E agora eu sou daqui e de lá.

 

E desconfio que a partir de hoje eu volte a visitar charles town,

 

toda noite, depois que o corpo estiver saciado e por fim, cansado,

afinal, devo ser gente ainda,pois me canso,

 

e por fim, depois de tudo ocorrido "o que tinha de ser o dia"

 

ao dormir, ao perder a consciência do meu corpo, que relaxa e repousa,

 

creio que a partir de hoje, toda santa noite,

 

ao devanear, irei até Charles Town, pois

afinal, em Charles Town, todas essas coisas que falei acontecem,

 

pelo brilho mágico que emana das pessoas, é claro,

 

é a magia pessoal delas que as une,

 

e agora tenho meu brilho e ele se manifesta,

 também, 

 

IX

Não viverei lá para sempre,

uma vez que deste lado aqui estarei.

Senti ontem em meu sono, meu corpo leve

pronto para ir a outra cidade,

a cidade de onde vim,

 a cidade onde tudo acontece

Charles Town,

 e eu acho que agora sou de lá,

 também.



 

 

A LINHA FÉRREA 

 

Pois como, é como acontece coisas na linha férrea, 

quando pequeno, ainda criança,

como quase sempre vemos quando crianças,

inocentes, quase terçã de curiosidades e sonhos,

imaginava que a linha do trem,

só passava o trem,


Foi uma grande superação o dia em que tive que cruzar pela primeira vez

os trilhos da linha do trem,

uma vez que achava que só trens podiam passar por lá.

 

Mas passei, as pessoas passam, vivem em linhas do trem, 

e outras perdem suas vidas por lá, também.

 

Nem que tenha que repetir, saberão que nada fica na impunidade

e quando atravessei a linha do trem pela primeira vez,

com o aval de minha mãe, evidente, era pequeno, sabe?

Logo na sequência, fomos atacados por aranhas famintas, as originais,

que primevas e furiosas, tentaram a todo custo,

arrancar o dedão de minha mãe, 

meu pai as enfrentavam, mas elas insistiam em ataca-la,

eu imóvel, abismado com tal ataque.

Mas tudo acabou bem, ou quase bem,

o fato é que minha mãe ficou super bem

e talvez nem lembre-se deste dia,

que deixou-me uma imagem clara na mente

não se cruza a linha do trem impunemente. 


E cada vez mais não sabem desse adágio. 

cada vez mais ultrapassam o limite férreo

e cruzam a linha do trem, 

ou ficam por lá mesmo,

com suas viagens próprias

analisando a viagem do vagão

do trem, e pensando

o quando que irá passar a composição,

para que eles continuem na perdição...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado por comentar, seu comentário será publicado sem passar por moderação.