blog de Escritor: Edson Fernando



(interação: Aperte CTRL + ou CTRL - para ajustar o modo de visualização)
Aproveitando as imensas facilidades do mundo on line e, também, aproveitando o imenso conteúdo que tenho de material escrito, resolvi transcrever uns livros on line.
É um projeto longo, acho que vai levar um tempo, mas as semente foram lançadas. E ora, os frutos, os frutos serão os mais variados possíveis, como agregar novos leitores e aumentar a minha visibilidade,além de proporcionar um pouco de diversão e cultura gratuitamente a todos vocês.Espero que gostem!

Boa Leitura, Leitores Amigos.

Esta publicação confirma a minha propriedade do Web site e que este Web
site respeita as políticas do programa e os Termos de utilização do Google
AdSense. partner-pub-0072061571065124

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.






Visualizar perfil de Edson Souza no LinkedIn




Translate

Pesquisar este blog

Seja Bem Vindo, Amigo, Por Muito Tempo Lhe Esperei, agora, Fique à Vontade!

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Teoria Regulamentada

Teoria do Regulamentado

LIVROS DO EDSON:
TEORIA DO REGULAMENTADO

Postagem 59 do blog autoral Livros do Edson.



Palavras-chaves: Economia, Mercado, Administração, Controller e T.I. .

           Frases do POST


    " O significado da estabilidade-instabilidade unilateral pode não ser intuitivamente óbvio: felizmente, pode-se usar um exemplo econômico simples para ilustrá-lo. Segundo Malthus, a população aumenta, diminui ou permanece estacionada conforme o nível de subsistência per capital (renda real, alimentação, etc). Seja X = população total, S = renda per capita. A taxa de crescimento da população em porcentagem será uma função crescente do nível de subsistência, passando de valores negativos para positivos a um certo "nível mínimo de subsistência".
    Onde O Nível de renda (produção), porém, depende ele mesmo do nível de população (mão de obra) para uma grandeza dada de capital, terra e tecnologia. Ademais, Malthus supôs implícita e explicitamente
a lei dos rendimentos per capita decrescentes."
Adaptado de Samuelson, Paul Antony. Fundamentos da Análise Econômica ; tradução de Paulo de Almeida - São Paulo: Abril Cultural, 1983.
Da Série, "Os Economistas" da Abril Cultural. 

Let's Go, Your Timing Is running now

Vamos nessa, Pois seu tempo está urgindo agora

I am talkin heavy now, i'm talking heavy now.

Eu estou falando sério agora, estou falando sério agora

Calvin Harris - Let's Go [feat Ne-Yo]


  

Editorial:

Verdadeiríssimo e Interesseiro

    Pois bem, senhores, como dizia a finada Whitney Houston, It's not right, but is ok, ou seja, isto não está certo mas tá valendo. Esta música sintetiza bem o 'jeitinho" brasileiro.
     Uma vez que, recentemente, e pela primeira vez na história do Planeta, aqui na Terra de Santa Cruz (BR), inventaram eles, os políticos abismais desta terra em que tudo se dá, e só falta vergonha na cara e neurônio puro no cérebro, inventaram a Política Empresarial, onde o próprio legislativo, o executivo e por vezes, o judiciário, se tornaram "empresas" que de 4 em 4 anos tem eleições para a formação da diretoria (i.e. Prefeito, Deputados, Vereadores, Senadores e Presidente). Isto é observado na falta de grandes concursos públicos, na precariedade dos serviços federais, estaduais e municipais e em atitudes dissonantes da
administração eleitoral que podem ser realizadas, como por exemplo, cargo comissionado, nada pior para o Brasil e para nós, brasileiros, do que cargo comissionado e as cunhas e as licitações e as privatizações, por que não privatizam a alma da Presidenta já que tem tanto encosto do lado Dela? Sim, pois só isto para explicar tanta antipatia e falta de tino de sofisticação, só que na fila da arrogância Ela deve ter passado umas dez vezes, no mínimo.
    A Política Pública tornou-se uma empresa. Parece absurdo, mas foi exatamente isto o que aconteceu, quando acharam que o Poder era deles, ou que eles não governam para o Povo mas sim, que governam para multiplicarem em 10, 100 ou 1000 vezes o patrimônio que tinham antes de serem empossados em cargos políticos.
    Enquanto isto, aqueles (incluindo-me) que eram de classe média em 1997 e que adquiriam cultura e intelecto, hoje, em 2013, foram rebaixados a classe D ou E, se não a F. Mas, todavia, a peãozada  come solta, poe o som no talo, e ficam com o uniforme da empresa até mesmo na zona franca da prostituição ou na casa em que vende droga e compra almas. Armas? Pagando bem , de tudo se tem. Só valorizam o xucro, o tolo (por isto que aqui, garota de programa é mais valorizada do que escritora), o imbecil (vale só o corpão e nada de inteligência) e não o eloquente (quanto pior você se comunicar, melhor, certamente terá menos dificuldade para se fazer compreender) tem vez, mas afinal, para que há de se saber falar ultra bem, se no final das contas, só entendem de glúteos e peitos?
    Terceiros elementos, ou seja, aqueles que não são eu, nem são os outros (políticos, peões, etc), dizem que fizeram isto tudo propositadamente, para sempre se reelegerem, assim, agora vivemos um eterna temporada perigosa de 4 anos - alienação coletiva, que põe filhos no mundo para receber bolsa do governo, enquanto se aumenta o choro e o ranger dos dentes - , cheias de mentiras, e politicagens para burros verem. Lembra quando colocavam cabrestos nos equinos para que eles não se distraíssem? Pois bem, agora não é mais o cabresto, agora é uma visão no horizonte que nos põe como meta a alcançar, semelhante a uma cenoura em uma vara, dizem que temos que consumir, comprar produtos da linha branca, carros, motos, ar condicionado, temos que ter uma área de lazer e assar carne todo final de semana, não para nos nutrirmos, mas antes para nos exibirmos, mostrarmos que somos aqueles que degustamos e não damos um prato de comida pra quem precisa. Eu, se fosse vocês, não me entupiria de carne bovina e cerveja no calorão, mas como não sou vocês, faço o que me cabe, penso e sou perseguido por isto.
    Quando será que vão entender a diferença entre interesseiros e verdadeiríssimos? Exemplo: Por que eu consegui libertar-me do vício do alcoolismo e da adicção pesadíssima (e isto é a mais pura verdade), sem uma única ajuda humana, profissional ou  não, e encontro-me já a mais de 800 dias sem beber nem nada e o melhor, sem ter que sentir vontade, dores, nada disso e têm pessoas que gastam rios de dinheiro com clinicas, médicos, pastores e não se curam? E eu estou liberto a ponto de caminhar pelas ruas, ver pessoas bebendo e mais, e saber e sentir, que estou bem melhor assim e mais feliz (apesar de a minha felicidade ser a felicidade de um Shide Rezingão - isto é: uma espécie de fada, de algum lugar muito distante, praticamente esquecido, uma fada que tem uma beleza especialmente refinada, ao mesmo tempo em que carrega no olhar um quê de tristeza, por estar longe de seu lar distante de onde são reis e rainhas, isto é o significado de Shide; e Rezingões, são changelings adultos ou idosos, changeling são fadas que entram em corpos de humanos, desde o nascimento, geralmente, quando na fase rezingona, são muito críticos, descontentes, ficam banais e podem até mesmo se esquecerem do que algum dia foram).
    Pois consegui me libertar e não me iludo mais com os torpes prazeres carnais que jamais se encerram e a partir do momento em que você acabou uma barca, já está com vontade de entrar em outra. Neste exemplo se nota quem é verdadeiro e quem não é. Não adianta nada, fazer culto de libertação das drogas, não adianta nada, pagar 8000 reais por mês com tratamento para seu familiar viciadaço, não adianta, novas leis de internação involuntária, nem pena de morte ao traficante. Eu sei o que digo, eu passei por isto, virava três ou quatro madrugadas atrás de corotes de pingas e outras coisas bem piores e aqui estou, meio doido mas inteiro, e tudo isto sem ajuda de ninguém (ao menos não alguém deste plano material), e estou super sóbrio, e dizendo sobre Samuelson, que alias, é leitura de cabeceira de cama pra mim.  Mas será que isto aconteceu comigo porque sou diferente dos outros?
    Claro que não, tenho tudo que um outro cara, um peão, por exemplo, tem. Claro, sou mais refinado (anos e anos de pesquisa e estudo), bonito (não me entupo de nada maléfico nem me alimento do imprestável), sei falar inglês, mixar, fazer poesia, escrever em html e sou um liberto, inclusive. Em compensação não tenho um corpo voluptuoso nem sou deveras-mente safado. Não vivo escravo do consumo, nem de sexo, nem de coisa alguma que seja, eu sou um espírito livre, que deve reportar-se única e exclusivamente ao Senhor do Mais Alto & Seus Divinos Anjos.
    Mas porque eu consegui sozinho o que os outros não podem fazer nem com ajuda volumosa? Porque eu fui verdadeiro, eu realmente queria e consegui parar, os outros não, tem interesses por lá. O interesse faz as pessoas trabalharem, elas não querem ajudar a sociedade, nem contribuírem para a melhoria dos serviços ofertados ou bens produzidos pela empresa de que fazem parte do quadro de funcionários, as pessoas trabalham para recebem salários, são contratadas porque tem cunha, tem como preencher o imprescindível campo do "Quem Indicou?" na ficha que fazem na empresa.
     Mas, irmão, entenda, e jamais se revolte, por motivo algum, uma vez que todas essas coisas, se são permitidas por Deus, certamente irão te evoluir em algum ponto, pois o Maior jamais permite que nada que não for lhe depurar lhe aflija. Mas por que eu e não eles?
    Porque eu queria e consegui parar de verdade, para tentar a harmonia no ambiente doméstico (mas já digo, ela não veio, brigas constantes estão sob o meu teto, mas a isto também, é-me devido passar por isto... logo eu, tão sensível). Quando se faz uma internação voluntária, quem indica esta internação, ganha 2000 Reais. Quando uma família joga um cabra louco em uma clínica biruta, é a família que quer descansar do noia plantonista. Se a sociedade resolve normalizar (geralmente, sempre sendo mais rígida e usando políticas pública equivocadas) sobre droga e adicção é somente porque tem muito roubo ocorrendo naquela região comercial ou porque os viciados estão "atrapalhando" a paisagem urbana, claro que isto não resolve. Cientistas já comprovaram que matéria e energia são uma coisa só em dado nível subatômico.
       O que este texto quer dizer, é que quem quer parar para. E eu já servi de exemplo pra outros malucos que acharam que eles não seriam capazes de conseguir, e eles conseguiram, mas recaíram, entretanto tenho Fé, e e um dia, creio, vão ficar limpos tanto quanto eu. É só querer de verdade e rezar, vigiar e orar. Agora, se acham que só internando, para botar panos quentes, para fugir da cadeia, aí, queridões, não adianta, vai voltar a perfurar a lata com o lacre e fazer as cinzas... embranquecer o nariz e vai tornar a exalar cheiro de bebida pela boca e pelos poros.
    Existe uma gigantesca diferença entre interesse e sentimento verdadeiríssimo,e só quem entende isto, consegue se libertar.




CONHEÇA-TE A TI MESMO

Nota Introdutória: O texto a seguir foi selecionado do seguinte modo: foi aberto aleatoriamente o diário em Busca da Luz, a primeira página vista foi a escolhida, e, ilustra uma aceitação. Pois não pensem que foi fácil receber um não de todos os amigos que eu procurei naquela noite, mas hoje, entendo, e naquela época também entendi um belo tanto, que são exatamente estes nãos que nos botam pra frente e, infelizmente, deixam os amigos para trás.  

    Como sabemos, o Título desta sessão do Livros do Edson, tem uma clara referência a inscrição contida no antigo templo de Delphus. E de fato, o autor do blog, considera que conhecer a si mesmo, superar-se e ter coragem para enfrentar a si mesmo, pode sim, resolver todos, ou ao menos, todos os problemas que depende exclusivamente de nós mesmos.
    Muito se diz neste blog de como alcançar a libertação dos vícios (
repetimos, este método funciona com QUALQUER vício, do pior ao mais leve). Temos vários post sobre isto e hoje vamos compartilhar algo muito especial.
    Quando Edson resolveu parar de beber, ele começou a escrever um diário sobre o tema, o caderno se chama Em Busca da Luz (foram quatro anos compreendidos entre o primeiro assunto do diário e o último), e iremos transcrever um dia deste diário, esperando sinceramente que possa ser-lhes útil. Do mesmo modo que foi útil e fundamental para o abandono dos vícios do Edson.

   
"Abre-se o diário a trancado chave e se lê:    Quinta, 11 de Junho de 2009
   
Boa Noite, Espíritos de Luz, Anjos Guardiões, Jesus Cristo, que hoje, teve um dia da humanidade dedicado a Ele (Corpus Christi). E graças a Deus, nossos irmãos humanos voltaram seus pensamentos mais um tanto a Jesus, Deus e o Espírito Santo. Vinde, Maria, Mãe Santa, e fazei-me ser um servo fiel e um trabalhador de Deus.
   
Minha vida está se tornando clara, não que eu já esteja muito bem resolvido, trabalhando ou estudando seriamente... Mas eu já estou conhecendo melhor a mim mesmo, sabendo minhas fraquezas e também minhas aptidões, meus dons, que Deus já me deu e que pode tirá-los, caso eu faça mais uso de minhas faculdades.
   
Ontem, mais um feriado, eu bebi o dia todo e também fumei. Por fim, chegou a noite e eu desejei mais dinheiro para chapar mais ainda, só que minha mãe não o tinha e eu, num desespero de querer, saí para ver se arrumava com os outros aquilo que desejava.
   
Infelizmente não me deram nada e o pior, a minha presença não foi bem vinda.
   
Eu não posso beber, principalmente de dia, é quando mais me descontrolo. Minha vida deve basear-se em estudos de mecânica industrial, no trabalho, na caridade, dentro e fora das Casas Espíritas, e nos desejos e pensamentos elevados que me levem e elevem a Deus; e com isto, eu me torne, com a Graça do Pai, um irmão melhor, que trabalhe para a melhoria da sociedade e de uma empresa,  e que eu possa ajudar todos os meus irmãos mais necessitados.
   
Muito Obrigado, Guardiões de Deus, por terem ouvido minhas preces. Uma Boa noite, e que assim seja."



TEXTO:

Teoria Regulamentada



INTRODUÇÃO
::::::::::    Esta figura é de um texto contido em meu livro de faculdade  -

DIFERENCIAÇÃO ENTRE Valor ECONÔMICO e Valor FINANCEIRO /  FONTE: Carneiro, Murilo; Ribeiro, Eduardo; e Borges, Vanessa Anelli: Livro de Ciências Contábeis - Módulo 5.2:  Análise das Demonstrações Contábeis e Orçamentárias. Uniseb Interativo, Ribeirão Preto, 2013 ® © ™ )    ::::::::::

I


    O que seria politica se não a arte de engambelar os outros, principalmente os extremos? Um país que esteja verdadeiramente bem, não precisa se autoafirmar, ao contrário, os outros países iriam ter que aceitar este fato, se quisessem ser merecedores de algum crédito à alguma visão atual do momento conjectural-econômico. Ou seja, se quiserem demonstrar alguma seriedade.
    No Brasil é justamente o oposto. Aqui, o Governo afirma que está tudo bem, mas o descontentamento é geral (Status Macroeconômico) - claro, ao menos àqueles que pensam e refletem sobre a realidade das coisas -, exceto a outros, que observam a realidade só como cash, caixa e grana (Status Financeiro). E para  muitos ter isto, significa ter tudo.
    Aos meus leitores, não, ninguém os engana, chegaram até a mim, eu cheguei até eles, nada pode obstruir certas forças. Nem mesmo quando não as queremos mais.
    Este texto dialoga abertamente com as fórmulas de Malthus e Samuelson  (vide frases - se os links internos funcionassem, seria este aqui), e olhem que interessante. Segundo Malthus e Samuelson, o Brasil tende a crescer porque promoveu as situações adequadas a este desenvolvimento, entretanto ainda estamos, nós brasileiros, muito atrás, no que diz respeito a tecnologia, infraestrutura e distribuição de renda, etc...
    A Introdução do texto traz uma excelente definição da distinção entre os diferentes tipos de conceitos gerenciais. Cada conceito significa uma situação distinta. Usamos aquela figura para dizer sobre  estar bem
financeiramente mas não bem economicamente.
       Isto no Brasil é um tanto comum, uma vez que empresas são controladas com o lucro de outras empresas e isto pode significar uma ruptura financeira (por exemplo, prejudicando outras operações desta empresa matriz), mas que todavia, isto também significa que a(s) empresa(s) controlada(s) recebeu(eram) investimentos ou mesmo teve(tiveram) mais ações compradas (deste modo o patrimônio dos acionistas da empresa matriz continua bem), mas até quando? Isto poderia ser considerado uma bolha? Será que meu
veredito está correto? Vocês concordam com ele? Que governantes conseguem entender estes conceitos e seus impactos à população e à distribuição de renda?
    Em Matão/SP, o PIB per capital está em torno de R$ 80.000,00 anuais, em 2013, todavia, é claro que pouquíssimos
enquadram-se neste valor proporcional, uma vez que a distribuição de riqueza é desigual e muitos vivem com bem menos que R$ 80,00 por semana (0,41 % da renda proporcional = PIB per capital = PIB Município / População economicamente ativa). Como veremos em dos quadros do III deste texto, a média salarial de matão é de menos de 800 Reais mensais (exceto na indústria), que corresponde a, aproximadamente, apenas 1/8 deste PIB per capital.
    Que riqueza é esta? Renato Russo tem uma canção que se chama "Que País é Este?", e ela retrata bem este gigantesco contraste social brasileiro que apesar de dizerem que está a diminuir, desconfiamos que ele está a se alterar e mudar de perfil, mas não está sendo combatido, está apenas sendo camuflado, montado, em um estilo drag queen.
    Esta é a riqueza do Brasil, onde os encargos tributários de um trabalhador de nível operacional (básico para o funcionamento da empresa) está em torno de, correspondentemente, 100% o valor do salário que é lhe pago, quando não superior a isto. Mas fora estes tributos de R.H. , podemos chamar assim,  as empresas pagam ainda mais tributos: de produtos acabados, comercializados, exportados; paga tributo de renda, de empréstimos, paga para se manter, quando na verdade deveria ser recompensada por movimentar a economia. Está certo que muitas empresas tem visões antiquadas de mercado de trabalho, mas isto não as habilita a serem castigadas simplesmente por existirem no Brasil.
    Que Governo é este que despreza concursos públicos, que faz o Programas Mais Médico (sem precedentes na história deste país) e deixa de investir em seus próprios médicos e hospitais-universidades? Que país que prega a subsistência com programas sociais, e o pior, o
fenômeno causado por isto, o pequeno comércio, sendo  considerado em Funções Econômicas? Constando em cronogramas de longo prazo?
     O correto não seria acabar com as dificuldades enfrentadas graças aos baixos níveis de subsistência per capital vislumbrados no Brasil, ao contrário de favorecer o extremo da pobreza, estimular a micro economia e inviabilizar mais ainda a Macro economia?
    São esses os enigmas do Brasil, este é nosso entrave. A gente não cura, a gente vai aquecendo nossa febre em banho escaldante, não vamos ao real sintoma, ou melhor, os governantes não vão, eles fazem políticas para as massas vontates, pois o voto é obrigatório, eles não tem a coragem de dizer a verdade, nem de fazer a verdadeira reforma que o país precisa, ao contrário, eles exponenciaram os ralos.
    A Política
Assistencialista no Brasil vem desde 1995 (ou 1997), esta é a Teoria do Regulamentado, ela começou como "Bolsa Escola" e outros benefícios sociais, mas o partir da "gestão" do partido que está no Governo em 2013 (e desde muito, lastimavelmente), tais programas foram alterados, até se tornarem o que está hoje, o Bolsa familia, estes, do governo, dizem que o Programa Bolsa família, ou como eles defendem - aquele que erradicou a probreza mais significativa no Brasil - , está completando 10 anos e que foram eles que o fizeram e que fizeram tudo o mais que o Brasil precisava - de mais fundamental, segundo eles. Agora não temos mais memória (nem raciocinamos), vão deletar todos os arquivos, incluindo seres vivos e teses?

II

    Segundo os economistas citados no I, o Brasil deveria estar bem melhor de acordo com a taxa de natalidade, a faixa etária da população e demais fatores climáticos, e de mercado. Todavia, o Brasil apresenta falhas significativas em termos infraestruturais, tributários e legais. Outro ponto alarmante são os processos utilizados nas empresas e a não otimização das tecnologias de processos e serviços.
    Então o que ocorre? Uma sub-camada está se formando e em qual degrau da escala social ela deverá se alocar? Nossa previsão mais pessimista: o Brasil é um potencial país de falidos.
    As pessoas no Brasil não investem em melhores meios, processos. Por aqui, tudo é no jeitinho, com a ajuda dos conhecidos, sempre...  Não temos o cuidados de nos planejarmos para as coisas e por isto, muito do que tentamos não dá certo. Somos demasiadamente interesseiros e amamos muito pouco o verdadeiro empenho profissional e econômico. Claro, há exceções, mas não deveriam ser exceções mas sim vias de regra.
    Há muitos laranjas (gente que ajuda a lavar dinheiro), muitas empreiteiras de fachada, sem credibilidade, segurança laboral e gestão eficiente, há muitos grileiros, muitos interessados, muitos herdeiros, de uma terra fértil, entretanto cansada de tanto ser explorada sem planejamento estratégico. E que precisa se reformular, mas que todos querem continuar a exauri-la.
    Precisamos de gente de ideia e de dar oportunidade a quem tem ideias, a fim de pô-las em prática.


III - Adequações Estratégicas e de Conceitos



Deduzindo a fórmula do tópico deste post "Frases do Post", podemos chegar a uma função semelhante a esta:


      Esta é uma teoria econômica, ao nosso ponto de vista, básica. Ela diz que (cada um pode entender ao seu modo, sempre) :

     
Podem haver rendimentos crescentes sem muita necessidade populacional (de R" até E3);
     
De R" até E2, Existe um ponto de equilíbrio entre as condições básicas de subsistência, renda e população;
    
Ao nosso ponto de vista do E1 e do  ao E3 também existe um ponto de equilíbrio, neste caso de decréscimo da população mas em contraparte com o aumento da renda per capita;
     
Tais  pontos de equilíbrios, ou fulcros, deveriam ser observados e respeitados.
     
Do R ao E1 há uma situação negativa, onde com excesso de população, há  pouco trabalho e há renda é mínima, e a partir do equilíbrio de condições de população, renda, tecnologias, estudos é que se melhora a renda e se equilibra a população;
     
Já o R', ilustra justamente que a renda cai, se sobra população desempregada.
     
     
Isto nos diz que existe todo um sistema que regula condições de trabalho e renda, claro, observadas as condições de tecnologia, infraestrutura, educação, subsistência (conforto) e etc.
    Quem toma como base o Brasil acha que está teoria está errada, uma vez que estamos a crescer populacionalmente e algumas categorias profissionais passam/passaram por aumento de renda (outras por deságios), todavia, no Brasil, temos muitos problemas de infraestrutura, tecnologia e educação, e mais (nossa economia é infantil e frágil), o nível de conforto e qualidade de vida são muito aquém de condições satisfatórias. Mas nada disso está em dissonante a esta Teoria de Malthus explanada por Samuelson e transcrita por Livros do Edson. Por isto cremos que uma bolha (situação econômica insustentável) esta se formando no Brasil

     Entretanto, toda esta teoria econômica tem sim como ser comprovada, diferente da "aparente situação de bem estar" do Brasil, que é frágil como uma menino de colo. E mais, muitos dizem que os dados do Brasil são mascarados.
    De qualquer forma, vamos usar estes mesmos dados e fazer uma análise diferente. É possível observar toda esta fragilidade em um município em específico. E, vemos isto, com os dados da seguinte na tabela, com os dados econômicos da cidade de Matão (o aluno na fonte do quadro quer dizer eu mesmo, Edson Souza, elaborei o quadro para um relatório):



    Se por um lado temos (matonenses) um PIB elevado em Matão, por outro temos uma renda per capita abaixo da média do estado.
    A indústria de Matão contribui com, aproximadamente, 70% da formação do PIB do Município, que representam 0,5 % do PIB do estado e praticamente 20% da formação do PIB da Região (para uma cidade com 77.000  pessoas é um valor bem elevado, ainda mais para o contexto, super populoso e com muita riqueza e tecnologia, da  localidade).
    Há riqueza, aqui tanto econômica quanto financeira, mas o IDH da região e da cidade não é nada bom. Uma vez que existe a riqueza mas ela não abrange à todos e o nível de desigualdade é muito elevada.
     Outros setores como Agricultura e Serviços não tem o poder de econômico que detém a indústria, mas isto é um tanto dissonante, pois com o alto salário que se paga na indústria da cidade (dizem valores como 1700, mas eu prefiro o valor de R2.300 em média, já com horas extras e adicionais), haveria espaço para mais ofertas de serviços e potencialmente mais consumo. Mas nada disso ocorre.
    Muitos investem em imóveis e veículos. Os preços dos imóveis são atrativos para quem vende na cidade, mas essa situação tende a mudar (ou piorar se grandes especuladores estivem relacionados a questão), com a entrada de novos loteamentos e empreendimentos imobiliários no mercado de imóveis da cidade. Além do problema da perda de valor do veículo ano ano, no caso de se investir em automóveis, na cidade ainda o índice de acidentes de
trânsitos são altíssimos.
    O Poder público, logicamente, recebe altos repasses tributários, que gasta com pavimentação de ruas, construções e inaugurações de novos centros de "lazer". Todavia, sempre os buracos voltam nas ruas, as construções não se concluem e as inaugurações quase sempre servem de palcos de comícios políticos, uma vez que o abandono dos locais públicos é evidente, o fato é que com mais de 30 construções públicas em Matão, nos últimos 9 anos, apenas concursos pequenos foram feitos e um concurso vinculado ao Ministério da Educação ocorreu, todavia, os locais construídos e inaugurados, pertencem a outras pastas ou secretarias. Sem pessoal não há zelo, sem zelo
não atraia a população e se a população não vem, os delinquentes surgem e logo após vem a polícia - queimando a praça, o centro, a quadra.
     Claro, há lugares que a população frequenta e cuida, mas até quando? Quando o Poder Público vai assumir suas funções e parar de delegar funções ou não aplicar suas execuções cabíveis?

    Muitas outras conclusões poderiam ser ditas e tiradas, a partir da
inter-relação da dedução da fórmula de Malthus e dos dados fornecidos sobre a cidade. Todavia, não iremos nos prolongar, para não corrermos o risco de nos tornarmos repetitivos, há muito o que ser feito..
    Existe riqueza e potencial
econômico muito maior, só que gananciosos não querem repartir, eles querem para si. Os outros que se lasquem.    
    E quanto as teorias, eles já são as próprias regulamentações, mesmo...

ARTE


    Nesta postagem não iremos dizer sobre o Capítulo II do livro a Arte da Guerra, o que esperava-se,imaginamos, que nós fizéssemos. Não o faremos porque estamos dizendo estas seis ou sete palavras, sobre a arte e as coisas não artísticas.
   
Quando se em Arte, muito tem em mente uma ideia de uma Teatro antigo, com pouca Luz, muita dança e música clássica. Acontece que Arte não é só isso. Essa ideia de arte é pura e verdadeira, porém, as fronteiras do artístico vão muito além disto, elas chegam até a música rap, ao grande funk dos anos 70, aos mais variados estilos e vertentes do rock, chegam até a música eletrônica e a experimentação, isto no campo da audição, já em aspectos visuais e de dança, a Arte é igualmente versátil e variada, combinando elementos históricos com campo para inovações e novas possibilidades. Há ainda o teatro, o cinema, as manifestações folclóricas. Mas notemos que nem toda música é arte, como nem todo teatro é arte e nem toda fotografia é artística.
   
A arte tem que ser atemporal, ao mesmo tempo em que expressa uma marca do tempo em que foi produzida. A arte é sublime, ao mesmo tempo que é feita por mãos humanas e deve, impreterivelmente, ter sido alcançada com muito esforço, empenho e superação. A arte é espetacular, ao mesmo tempo que é passível de falhas, por isto, apresentar-se ou produzir bem uma arte, pode ser considerado um dom. E quem controla os dons? A arte é uma vivência, que se ouvido o chamado e vivido-o, certamente trará muitas surpresas, no sentido mais abrangente que isto possa significar.
   
Digo isto mais a quem não lê este blog, e se entorpece consumindo "material artístico" baixo, descartável, que só foi feito para vender e que não terá vez no grande hall da fama dos grandes artistas, a não ser como um fenômeno de vendagem ou de lucratividade. Há uma diferença significativa entre estar no Guiness e estar nos Grandes Museus e nos Grandes Academias. Alguns raros conseguem estar nos dois, e não temos nada a dizer sobre estes.
   
Esta seção tem por objetivo simplesmente alertar o como é importante rebuscar-se, consumir grande arte, deixar de lado só os  desejos carnais, momentâneos, como é importante viver intensamente, mas sem morrer de dor de cabeça, de ressaca, de arrependimento, ou de tudo isto no dia seguinte.
   
Viva a grande arte, e que brindemos com Suco de Uva.




Livros do Edson: Cosmologia de Mago

Uma breve introdução a nossa visão de Mago: A Ascensão 2 ° edição, do ponto de vista de todo o Kosmos. Imagens em ".jpeg", que ilustram as camadas da realidade do poliverso, e como se vê, a Terra é realmente o centro do Poliverso.



 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado por comentar, seu comentário será publicado sem passar por moderação.