blog de Escritor: Edson Fernando



(interação: Aperte CTRL + ou CTRL - para ajustar o modo de visualização)
Aproveitando as imensas facilidades do mundo on line e, também, aproveitando o imenso conteúdo que tenho de material escrito, resolvi transcrever uns livros on line.
É um projeto longo, acho que vai levar um tempo, mas as semente foram lançadas. E ora, os frutos, os frutos serão os mais variados possíveis, como agregar novos leitores e aumentar a minha visibilidade,além de proporcionar um pouco de diversão e cultura gratuitamente a todos vocês.Espero que gostem!

Boa Leitura, Leitores Amigos.

Esta publicação confirma a minha propriedade do Web site e que este Web
site respeita as políticas do programa e os Termos de utilização do Google
AdSense. partner-pub-0072061571065124

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.






Visualizar perfil de Edson Souza no LinkedIn




Translate

Pesquisar este blog

Seja Bem Vindo, Amigo, Por Muito Tempo Lhe Esperei, agora, Fique à Vontade!

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

E Já Vem


Livros do Edson - Postagem 66

 - E Já Vem O Arco Íris



de Matão/SP para o Mundo Web

Nesta Postagem (tags): 

  • Texto: Editorial;

  •  Imagens: feitas em Computador (Linux SO); 

  • Texto: Economia Contaminada no Brasil; 

  • Link: sets e sons de edsonnando; 

  • Poesia: Prosa Rara; e 

  • Atualização deste Blog: A Urna Cúbica de Platina.


Editorial


    Eu não sou contra o Brasil, pois eu nasci aqui e daqui vou-me partir, um dia. Nem sou contra o PT, incentivava meus familiares a votarem no Partido dos Trabalhadores, quando criança, pois achava-os sinceros... Uma vez, apenas, eu votei no Lula mas, não votaria, jamais, na Dilma. E eu, certamente, votaria em Barack Obama, quantas vezes fossem necessárias, dentro de um estado democrático de direito.

    Eu não torço pela Rússia e pela União Europeia ao mesmo tempo, apenas - torço por estas e por muitas outras causas fidedignas; mas, antes de mais nada, sou a favor da Arte, e da superação do gênio humano, da elevação da moralidade; não que os Russos sejam exemplos de bondade, mas, há que se pensar no conceito de melhor que se pode ser, levando em conta certas condições. 

    E somos mais parecidos (nós, brasileiros) com os russos do que pensamos, se nós suportamos a vida em calores extremos (e chuvas estrondosas ao extremo), eles suportam a vida em frio extremos (e calamidades assombrosas) - mas é como dizem, "quer saber da Rússia? Vá até a Rússia".  E verdadeiramente, Arte Europeia é bem melhor que arte americana, só que os americanos ganham dinheiro (muito bem, aliás)  com tudo, eles criam e possuem grandes marcas, grandes estúdios (e etc), ou seja, Hollywood (brasileiro escreve Roliuodi, e tá tudo ok) é uma muito bem planejada indústria artística, que abrange bem mais que filmes (movies), enquanto que a Europa é o berço das Artes e da Civilizações, em todos os tempos, eu considero. E O Brasil - o que é? É o que veremos nesta postagem, pretensiosamente.

    Enquanto eu penso eu usar o google tradutor para escrever 'Symphaty' do modo mais correto possível, no Brasil, querem simplesmente desconsiderar as características linguísticas de cada palavra, de cada fonema, e querem "à-brasileirar", tudo. De minha parte, fico receoso, até mesmo em escrever em inglês, uma vez que parece que todo mundo sabe quando uso o google tradutor (para conferir a escrita de uma palavra, por exemplo), e olha que estudo inglês desde os 14 anos de idade - afinal, cada um reage de um jeito ao mundo. 

    Desconfio que sempre fui autodidata, enquanto ouvia das outras pessoas, que "ninguém consegue apreender as coisas sozinhos", que grande besteira, eu sempre fui um solitário, e é assim que tem que ser.

    E o Brasil, o que tem a ver com tudo isto? Para responder isto, vamos recorrer a vários recursos, inclusive música.

    Vamos começar por observar, o que diz Belle & Sebastian, em I Din't See You Come: 

    "We've been going to transcontinental, /

     Got no car, we just take a rental /

    Cause we don't have the money /

    Money makes the wheels and the world go round" 

    Iremos fazer uma viagem transcontinental / 

    não temos carro, nós apenas alugamos /

     porque nós não temos o dinheiro / 

    o dinheiro que faz as rodas e o mundo girarem. 



    O Brasil era a bola da vez. 

   Agora, dizem que nosso fôlego (gás) acabou. Eu, particularmente, prefiro a definição do Fantástico, da Rede Globo, que, ao se referir aos times que estavam sujeitos a rebaixarem-se na tabela do campeonato (de football) brasileiro (da categoria "A" para a "B"), há uns dois, três anos atrás, foi usado um termo, o "cavalo paraguaio", que nada mais eram senão "cavalos" com brasões característicos para indicar um determinado clube; isto é, no Brasil, durante um tempo, e até hoje, o adjetivo pátrio "paraguaio", se referia a produtos pirateados, ilegais, geralmente, de qualidade inferior, que resumindo, não duravam nada; funcionava assim, comprava o produto em uma semana, na outra já apresentava problema. Diziam assim de times com chances de rebaixamento, há um tempo atrás, e eu considero o Brasil, uma bola da vez "paraguaia", ou seja, era bola da vez nada, não analisaram direito o País, ou então foi feito tudo errado, uma combinação destas duas opções é possível e real, e mais, no Brasil, há muito interesse escuso, onde afirmo, há a desigualdade, porque assim querem que ela continue havendo. Agora, quem quer isto? Eu não os conheço por nomes, mas sei o que fazem e como agem. 

    Eles tem o poder de mudar as coisas e não mudam. Eles ouvem o grito das pessoas nas ruas. O que elas pedem? O que quer tanta gente junta? Dizem que é por causa do aumento no preço do ônibus, dizem que deveria ser de graça, afinal, dizem ser "um lixo" - eu nem uso, os horários não batem, nunca tenho dinheiro, como a música do Belle & Sebastian, e sempre ando à pé, pelo sol, queimando-me e me emagrecendo. Sou estudante, deveria pagar 1/2 passagem, mas faz 4 anos que fiz o pedido de minha carteirinha de estudante e ela não veio até hoje...  - dizem que é pelo valor dos alimentos, mas, eu acho que é muito maior que tudo isto, é um grito de chega (BASTA) de incompetência, ou melhor, é ainda um grande aviso aos estrangeiros (esqueceram de avisar pro pessoal, que nem só turista viria ao Brasil, mas investidor, também), que pensam em visitar o Brasil nos grandes eventos internacionais, creio, que muitos dos insatisfeitos causando às ruas, diriam: "Não venham, aqui! Seus jogos serão uma fraude, seus eventos uma perda de tempo. Nós não temos infraestrutura necessária, transporte público de qualidade, segurança alto nível, moradia digna aos mais pobres, e,  muito menos saúde, educação, e cultura de qualidade para todos, entre muitas outras coisas. O que menos precisamos são de estádio e centros esportivos". E como, uma mentalidade assim passa por sábia? Pessoal, vamos combinar com a população para torcer a favor do Brasil, e jogar junto, e não apenas criticar os Donos do Poder, pois é o nosso empenho que nos fará vencer, em qualquer ambiente hostil, ou mesmo enfrentando intermináveis guerras frias, no solo quente. E há muito o que se fazer, certamente, por estas terras, sempre.

    Senhores, e Mulherada, aqui é o Brasil, o país onde tem mais verba para a licitação (privatização do setor público, terceirização, evasão de divisas e super-faturamento) do que para o servidorismo, do que pra educação, saúde e cultura. Mas será que não há nada mesmo a ser feito? 

    Eu, por minha parte, como autor deste blog, quero transmitir um pouco de minhas ideias para vocês, prezados leitores. 

    Boa leitura, boa visualização e boas audições. Excelente 2014 - que venha a realização!!!



Arte Feita em GIMP, por edsonnando, as writter Edson Fernando


FELIZ ANO NOVO



A Economia Política "Viciada", No Brasil -

 O Que o Mundo Esperava de Nós & Aquilo Que Não Fizemos

Tópicos Frasais

  • A Política usada para "favorecer" quem apoia certos Partidos políticos;
  • As Reformas Burocráticas que não acontecem;
  • A Mentalidade Brasileira, Exploratória Depredatória;
  • O Jeitinho Brasileiro; e
  • Cruzamento de Dados: Catástrofes Urbanas VS A Falta de Fiscais Públicos.

        Todos sabemos que o Brasil é um país riquíssimo: riquezas naturais, reservas naturais estratégicas, recursos biológicos, diversidade de fauna e flora, etc e etc. Entretanto, também sabemos, que aqui no Brasil sempre foi assim: vem-se aqui, exploram as riquezas e deixam os problemas para a população, autoctonia ou mestiça (sou pardo, de muito bom grado). Foi assim desde a colônia da Coroa Portuguesa, foi assim na Política do Café com Leite, assim na Ditadura e é assim no neo-liberalismo comercial. Por isto aqui tem tanta burocracia, tá pensando o quê? Não é qualquer um que pode vir e pegar o que quiser, tem que estar credenciado no Governo, mas, certamente, isto não o impossibilita de fazer algum "esqueminha" básico "por fora", como exemplos, Caixa 2 (rendas não declaradas), Super Faturamento (às vezes ligados à empresas coligadas e/ou controladas, ou a licitações com o setor público, note que interessante, Licitar, significa justamente "tornar legal", seria tornar legal, algo que não é legal?), favorecimento e enriquecimento ilícito, e etc. E assim temos o nosso jeitinho, onde se, de um modo, o Governo tira de uma de nossas mãos, com seus impostos absurdos e, comumente carregados de Um mesmo Fator Gerador, por outro lado, enquanto com a outra mão,  seguramos na "teta" do Governo, ou então, tiramos proveito de algum outro modo, que não pode ser descoberto - é, aqui é assim. Reformas tributárias, políticas, culturais, poderiam esclarecer um pouco as coisas, todavia, preferimos a violência e a ignorância, à compreensão e ao comum acordo. 

    Infelizmente no Brasil, valoriza-se muito os cargos comissionados, as indicações políticas, os cargos de confiança, etc e etc. Sou radicalmente contra isto e pra mim, Serviço Público, independente do Cargo, exceto os eletivos, claro, devem ser atribuídos a servidores melhores colocados em provas de concurso público, mas provas bem aplicadas, não provas que dizem de equação do segundo grau e não põe nem sequer a fórmula de Báskhara, no caderno de questões, coisas assim, tiram a imparcialidade da aplicação da prova, é tão simples pôr a fórmula, e evitar as desarmoniosidades. Mas no Brasil há uma desvalorização do servidor, exceto o servidor Federal, entretanto, como ser servidor federal, em um país continental, se quem está a olhar por uma vaga dessas, às vezes, já não obteve sucesso em outras áreas profissionais e não pode bancar os seus gastos com os Concursos? É uma difícil questão, mas parece que NINGUÉM tem interesse em respondê-la. Analogamente, se os EUA, é o País das Oportunidades, mesmo em crise, talvez, o Brasil, é em contraparte, o País dos Fados. Brasil é o país do "F". Como diz muito bem Gregório de Mattos, o primeiro poeta brasileiro, poeta barroco, dos muito bons, que dizendo sobre a Bahia, afirmava, Bahia se escreve com dois 'f' s, um de furtar e outro de foder. Isto no século XVI - XVII, mas hoje, certamente ainda é assim. Neste, e em outros aspectos, o Brasil é um país atemporal, não muda nunca, sempre ensaiamos evoluir, mas algo não nos permite ir além, e os que vão além, coitados, são renegados. Por isto, que pensador no Brasil só pode assumir três formas: Rebelde (entregue a alguma paixão banal, como vício, comportamento não aceito, etc, que serve de pretexto para que a sociedade não o aceite), Ignorado (ser de reconhecido valor, mas não aceito nos meios sociais, seja por não ser de família nobre, não ter cunha, ou defenda uma tese deveras-mente alternativa, etc) e, finalmente, o Acadêmico (pessoa, às vezes, mal paga mas, que ao menos, tem reconhecimento como pensador, em certos ciclos restritos, geralmente as sociedades educativas e científicas, note que isto significa, defender teses que estas sociedades consideram adequadas). Não há como crescer sem um Supervisor adequado, entretanto, no Brasil, o rebanho quer ser, e é, guiado por mentes torpes, que os usam, conscientemente, ou não, para atingir objetivos, meramente monetários (criar riqueza e a manter), nas mãos de muito poucos; enquanto a maioria, endivida-se para trocar de carro a cada ano - do modo como o pastor evangélico bem gosta de pregar. Mas, deixa passar, deixa estar, que cada pedra jogada, será contabilizada duas como ofensa agravada, no mínimo, a intencional e a comportamental. E não caberá a mim julgar estas coisas, só as digo para que não se esqueçam delas, entretanto, também tenho que cuidar do meu próprio tendão de Aquiles. 

        O Brasil, precisa de várias ajustes: reforma tributária, reforma dos contratos das relações trabalhista, atualização do código penal, reforma do sistema eleitoral e da própria legislação eleitoral, reforma da logística do país, etc e etc. Uma vez que todas essas leis são obsoletas, retardam o país, e no mais, encarecem o custo Brasil - medida que mede a competitividade de um país. Mas, nada disso é cogitado. Aprovam o Programa mais Médico (temporário e polêmico), Simplificam Licitações e Projetos de Melhoria, mas jamais resolvem questões cruciais da nossa nação. O Política do remediar e não do prevencionismo. Aqui, não se resolve nada, afinal, o que importa é obter voto nas próximas eleições e não dar as cidades e ao país aquilo que ele precisa, de fato. E as massas existem para ser dominadas mesmos, não é mesmo? 

        E aqui, onde as coisas já são burocraticamente lentas - porque alguém quer que assim seja, tenha certeza - , acrescente a isto, uma nação com toda uma mentalidade depredativa e insconsciente de fatores ambientais: no Brasil, é comum garotos "brincarem" de matar passarinhos, isto é estar a um passo de associar à natureza com algo que devemos destruir, vender, dominar etc. Eu acho tudo isto muito perigoso. Deveríamos incentivar as crianças a preservarem as nascentes dos rios, a não prenderem passarinhos em gaiolas; incentivar a garotada a chupar fruta no pé, a plantar árvores e cuidar dos animais domésticos mas, parece, que à algumas famílias, fazer dinheiro com as coisas é mais importante do que conservá-las às futuras gerações, vão deixar o dinheiro, se algum imposto maluco do governo não for inventado e acabar com tudo. Acontece que no Brasil, sempre se associou tudo (principalmente as riquezas naturais), a coisas de ninguém. Quantos lugares, não vemos pessoas, criarem  (construírem) barracos, barraquinhas, favelas, somente para depois  de 1/4 de século ou mais, entrarem com recurso para usar a propriedade com "uso capeão" ? Quão comum, outros jeitinhos, e outras manobras para ficarmos com, de fato, aquilo que não é nosso e nem sequer nos pertence?  E quer saber, quando você diz ideias assim em público, logo lhe perguntam, "se você já pensou em ser padre" ? 

        Eu pensei em ser servidor público, mas não teve como ir para Ribeirão, não passei na prova da SEFAZ, do IAMSPE, do SPPREV; enfim, do IBGE, nem posso prestar, não tenho Geografia nem Estatística. Fiscal da Prefeitura? Bem, vamos deixar pra lá isso,  afinal, nenhuma cidade tem fiscal municipal, mesmo. Tem é cargos comissionados, que fiscalizam demais valores, tem auditores estranhos, que não fazem direito seus trabalho; enquanto construções desabam, boates se incendeiam, casas caem, ruas cedem, e mais e mais catástrofes; cortam a água e o telefone de quem paga as contas, regularmente; aceitam estagiários para cargos fundamentais (só para pagar menos), e, o caos, aqui, é anfitrião. Pois sim, se Fiscais fizessem seus trabalhos corretamente, e auditores, fizessem auditoria e consultoria, de modo imparcial, e não interesseiro, muito poderia ser evitado; Mas antes, sugiro que se pense em como isto chegou até esse ponto. Não estão fazer  tudo errado novamente, do mesmo modo. Pois certamente, não são só os loucos não esperam obter resultados diferentes fazendo as coisas de modos iguais? 

    Quer saber: o problema aqui é que acham que Poder Público é empresa, que político é empresário e deve lucrar. Enquanto essa mentalidade prevalecer, podem esquecer. Vão dizer que temos de tudo por aqui, mas não sabemos fazer nada com esses talentos, além, dar dinheiro a quem já tem muito e continuar a fazer as coisas de modo errado.



ARTE FEITA EM INKSCAPE E GIMP


Mais do que ter esperança / em dias melhores, / é ter esperança, / em uma humanidade melhorada.



web formed by electronic music, sets mixed by dj

 







Arte feita em karbon14 e GIMP

 





Prosa Rara



Ouvi falar "relíquia" na rua, 

Pensei ter ouvido a voz tua.



Que nada. 



Eram um desses, da molecada,

 que andam em bancas, pelas calçadas. 

Você é que é a minha relíquia, 

Sabe que é por Você que canto 

Desde aquele Bendito Dezembro de Encantos

em que sabíamos do que eram feitas as delícias.

Mas seu destino é ir para Minas 

Morar em Sete Lagoas

ao lado de lindos "bem-lhe-vi"

Enquanto o meu é viver em Matão

postando coisas que escrevi

no mato, com um caderno na mão

Teve uma vez, tomei pinga-coragem!,

 Que iria lhe deixar falar o meu coração,

 Mas, no instante em que eu estava pronto a lhe dizer

Foi aí que eu ouvi com muita emoção,

Sentindo bem os meus olhos ébrios,

Eliminando qualquer possibilidade de miragem,

Ouvi, que eu lhe ensinei, a vida, ver & viver, 

Pena, que queria ter lhe desvendado os mistérios.

Mas sejamos claros, justo, sinceros, 

Eliminando qualquer possibilidade de adultério

Não nos tivemos porque não nos quisemos. 

E digo, mais, o choro,

 Tanto Teu, Quanto O Meu 

Foi antes aquilo, 

Que viemos aqui ter, 

Entre Eu e Você.



 

Atualizações do Blog

        "Tem um velho adágio popular, que diz, que se um mesmo homem passar duas vezes na vida, pela mesma ponte, aos oito e aos oitenta anos, nenhum dos dois, nem o homem e nem a ponte, serão os mesmos". 

    Assim, àqueles que jogaram a crônica pela primeira vez, os jogadores dos personagens (deixem um comentário com o nome de vocês ou de seus personagens, aqui no blog, caso queiram sair do anonimato, tal qual-mente, eu o fiz) que eram Quidan Rajá, Gandoulf, MM, X-Niban, Aurea, Hanna, Baramut, Astrix, Noe II, e outros que jogaram, também, estas pessoas podem estranhar um pouco a Crônica, podem achar que ela esteja "diferente", mas garanto, ela era assim mesmo, acrescentei algumas coisas, tirei outras, mas basicamente, está tudo igual, ao mesmo tempo que está ligeiramente modificada. 

        E as atualizações desta página dedicada à Mago: A Ascensão, podem ser conferidas no link AQUI. 

[dica: aperte CTRL + end para ir ao fim da página, caso já conhecia esta História antes, depois é só subir, um pouco → As Atualizações da Urna Cúbica de Platina, sempre são postas ao fim da página]





Bônus
: criei uma seleção de música eletrônica para a crônica a Urna Cúbica de Platina, 
            já a mixei, uma vez, ficou interessante, se quiser conferir  o play list, veja:





E para fechar, estou redescobrindo um som que curto muito, o cd de Remixes do 
Álbum Music Prostitute do Symphonix, excelente
e dá-lhe Trance. Dá-Lhe Trance!!!




MUITO OBRIGADO!!! E 

ATÉ O PRÓXIMO Encontro On Line

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado por comentar, seu comentário será publicado sem passar por moderação.