blog de Escritor: Edson Fernando



(interação: Aperte CTRL + ou CTRL - para ajustar o modo de visualização)
Aproveitando as imensas facilidades do mundo on line e, também, aproveitando o imenso conteúdo que tenho de material escrito, resolvi transcrever uns livros on line.
É um projeto longo, acho que vai levar um tempo, mas as semente foram lançadas. E ora, os frutos, os frutos serão os mais variados possíveis, como agregar novos leitores e aumentar a minha visibilidade,além de proporcionar um pouco de diversão e cultura gratuitamente a todos vocês.Espero que gostem!

Boa Leitura, Leitores Amigos.

Esta publicação confirma a minha propriedade do Web site e que este Web
site respeita as políticas do programa e os Termos de utilização do Google
AdSense. partner-pub-0072061571065124

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.






Visualizar perfil de Edson Souza no LinkedIn




Translate

Pesquisar este blog

Seja Bem Vindo, Amigo, Por Muito Tempo Lhe Esperei, agora, Fique à Vontade!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Seria Tão Tarde Para Criar Veios?


LIVROS DO EDSON

POSTAGEM 70

_ SERIA TÃO TARDE ?!

Edição 70 das atualizações de Livros do Edson,

 Blog de textos, música eletrônica, ilustrações, cultura, contra cultura, tendências,

RPG e, no geral, blog baseado no alternativismo urbano-rural.


    Originalmente, criei esse blog para postar textos que tenho guardado em uma geladeira velha desativada, pois sim, não queria que meus textos se perdessem em poeira e esquecimento neste objeto/local. Mas nada é tão simplificado, deste modo...

    Depois, ao longo desses 18 meses de blog, fui percebendo que ter um blog é muito mais do que pôr as coisas de modo aleatório, ao se mexer em textos antigos e achando apenas os mais valiosos; ter um blog é uma espécie de relacionamento entre autor e público, ao menos eu vejo assim.

        Por exemplo, a Urna Cúbica de Platina, é uma Crônica (História e Jogo) de RPG, de Mago: A Ascensão, 2ª Ed. Eu comecei a postar tal conteúdo, mais para não perder em mim mesmo o encanto deste jogo, que gosto muito, mas acontece que essa página é a mais vista de todo o blog, supera, e em muito, inclusive, as visualizações destas atualizações, que gosto de chamar de posts. Quando coisas assim acontecem, com muita gente vendo um determinado assunto que postei, imediatamente a coisa muda de figura e começo a ter que tratar isso que faço, ao menos uma dessas vertentes, com respeito e responsabilidade (daí o termo em inglês, Response-hability, algo assim, tenho um set com um nome assim no www.promodj.com).

    O mesmo vale para as mixagens; quando alcancei a marca de 500 plays em uma faixa postada, já foi um grande espanto, quando isso começou (e ainda está acontecendo) a ocorrer com diversas outras faixas, eu fiquei mais surpreso ainda. Mas, infelizmente, postar sons não é tão "fácil" quanto postar atualizações de blog, o mesmo vale para as mixagens; por exemplo, nas lan houses públicas que uso (os famosos CID, Centros de Inclusão Digital), não há a mínima possibilidade de eu fazer um upload de um set, pois a conexão é inconstante, muitos usando ao mesmo tempo, o link quebra, enfim, não rola.

    Alternativamente, sem net em casa, como o fiz algumas vezes, fui até a lan house paga e assim consegui fazer o upload de People Talking e The Sequel.  Mas a coisa tá russa (termo brasileiro para dizer que a situação está crítica, ou tá ruim de se viver), como não trabalho recebendo salário há já 11 meses, eu não posso postar o tanto de músicas que desejo, senão, teria que parar de fumar, algo que no momento não penso sequer em cogitar.

    Assim ficamos assim mesmo, pessoas querendo me ouvir, eu com sets novíssimos no ponto de postar, e não tenho a oportunidade de lançá-los na internet. Desde a época que eu tinha net eu casa, mas como eu não possuia nem possuo cartão de crédito, não pude fazer meu cadastro completo, e pôr sons em sites como o beatport, ou ter um cadastro pago no soundcloud, por exemplo.

    Mas não estou aqui para reclamar, estou antes aqui para dizer que apesar das dificuldades que enfrento para postar os conteúdos, ao menos os textos e fotos, que são mais tranquilos para postar, eu sigo em frente e continuo tocando esse blog, porque sei que tem gente que me lê.

    Por saber, ou desconfiar, também que a Arte (espero que seja arte o que faço) é considerada um Ativo (um bem) de longo prazo, e de alto risco (ele pode tanto valer muito no futuro, como pode não valer nada), mas eu vou na esperança, de dias melhores e de pessoas que sempre se lembrem de mim, como alguém que as instiga a.. tentar sempre melhorar. E ...

Boa Leitura,

Boa audição,

Boa Visualização,

Bom Jogo,

Boa Reflexão &

Muito Bom Te Ver Por Aqui.




CARTAZ: LIVROS DO EDSON → CRIANDO VEIOS


SET LIST

(ou Play List) Desta Postagem #70

(me lembrei destas canções e/ou então as ouvia enquanto escrevia):


05 - Set Goa Trance, mixado por mim (incluindo)
        [
Intitulado "Wear Oneself Out Sad, So Hardden Step Yourself"
       
Desperdiçando-Se Em Tristeza, Então Apresse Seu Próprio Passo]
        Ace Ventura, Shiva Chandra, Gaudium e Klangstrahler Projekt,
        entre outros da excêntrica vertente Goa Trance & do Psy Trance

04 - Chico Buarque - Samba de Orly

03 - Jorge Ben - Meddley → Taj Mahal + Filho Maravilha + País Tropical

02 - Pavão Misterioso + Get Ready For The Man
       [um VS (Mash Up) que fiz de meus próprios remixes]

01 - PNAU - SOLID GROUND

VAI SOCIEDADE, REAGE

    "Isso é o que dá viver catando lixo,

    Que falta de educação, mané

    Que tal criar vergonha, quem já viu ser

    transportadora de bicho de pé "

    Mundo Livre S.A. - Édipo, O Homem Que Virou Veículo (Do álbum Carnaval na Obra, 1997, Letra e Música desta canção: Fred Zero Quatro) 



        A sociedade não sabe como reagir ao Gênio. Por isso mesmo, o modismo, a "bola da vez", e o banalizado é posto à toda prova, exibido em todo o canto, como se fosse grande, só que na verdade, não é - tudo isso vai passar. Mas por isso mesmo são tão tolas (algumas pessoas), porque (as pessoas inconscientes de suas posturas em relação ao mundo) acham que a vida deve ser vivida inconsequentemente e de qualquer modo (em uma Fé não posta a prova e/ou onde dão ouvidos à ideia de girinos), vivem assim como assim os outros o tratam no trabalho, onde lá, em uma empresa de cultura medieval, lá, sim, são tratados como quase merecem, e lá pagam seus infernos, que custeiam seus bens, que de fato, um dia, os aniquilará. A sociedade, dificilmente, sabe se organizar em harmonia com o meio ambiente. As sociedades (religiosas, civis, criminosas, acadêmicas) não sabem como lidar com o diverso; o distinto deve ser, de alguma forma, categorizado e "domesticado". Nós não sabemos como aceitar o outro, não lidamos bem com os odores comuns, que geralmente não "cheiram bem" aos narizes mais civilizados e estéreis; muitos não tem paciência, tino para lidar com as crianças, e nisto se perde e infância e consequentemente a juventude, para chegar a fase adulta precocemente e ver o mundo apenas em padrões de branco, cinza e preto; ou então se tornar uma criança crescida, minada, cruel, mas com poder para dominar as outras vidas (a vida alheia, a vida de famílias inteiras...). Como a sociedade lida com isso? Quem dá cargos elevados a tais pessoas? E porque os geniosos se perdem cada vez mais no esquecimento, na chacota e no marasmo do limbo? Por que tantos templos de vidros distorcidos, andam lotados e em expansão, enquanto o singelo Tempo de Si Mesmo, cada vez mais anda abandonado e já ninguém mais faz passeios como Kant fazia - por que cada vez mais a sociedade consome, para tentar fugir de si mesma, ou ser uma coisa adquirida, uma ideia comprada de consumismo e banalidade?

        Se  você, prezado leitor deste blog, ao menos esboçar uma ideia das respostas para as perguntas acima feitas, certamente, tal blog já terá alcançado um de seus objetivos, que é abrir a mente para novas reflexões, ao passo que, também, espero ser reconhecido como incentivador destas ideias, e de levar (tentar levar) a filosofia a todos os cantos possíveis, principalmente, divulgando-o independentemente, sempre na internet e por boca a boca. Pois se grandes conteúdos metafísicos existenciais podem se perder, por outro lado, a abrangência que podem chegar estas ideias compensam esse sacrifício, dessa omissão "do grosso da filosofia metafísica". Senhores, Senhoras, prezados jovens, o que a sociedade sempre fez, ao longo de suas transformações, seus ciclos e suas rotinas?

            A sociedade sempre se organizou dado o interesse de uns poucos, que impõe seus padrões sociais aos outros, alguns dizem que não é bem assim, e que existe todo um consenso quo coletivo, mesmo quando as pessoas não dizem nada, ou se comunicam em idiomas desconhecidos de um povo a outro. Ocorre que nada é tão simples e fácil assim. Tudo assemelha-se a que foi devidamente arquitetado de forma sempre a explorar ao máximo "as melhores" oportunidades lucrativas da época e das sociedades, sempre foi assim, e infelizmente ainda o é em 2014, em muitos lugares. Em muitos lugares e lares. Ainda nos exploram de muitos modos, Governo, Sociedade, Empresas, Vizinhança e Escolas, entre muitas outras instituições e "normalidades". Mas o fato é que ninguém vai pensar ou repensar que "já não há mais espaço para sustentarmos as normalidades"? Até quando vamos ter que fingir ter amor e respeito por uma coisa (uma instituição, um lar, um dogma, o que seja), que foi imposta como sacra, como símbolo da soberania nacional, um monumento a Ideologia da Honras e aos Feitos do Passado Manchado por Distorções Históricas, entretanto, alguém deve notar, que tais conceitos não representam mais a sociedade, rachada, dividida em 1001 religiões, em 1001 formas de se ter uma família, 1001 formas de viver e pensar, uma sociedade  dispersa em 1001 formas de estudar (que não se complementam, mas chocam-se), 1101 formas de ser; entretanto, somente de uma forma funciona, pela indicação, o cargo de confiança, no Brasil, só assim que vão as coisas, todo o mais são as incertezas dos mercados de trabalhos e das linhas sorte; mais do que sucesso conquistado, pode crer, irmão, teu sucesso não é só seu não, não importa o que você pense, ache ou analise, e nem só de Deus vem os seus "bens", pode acreditar, também, mas você não acredita, sua ideia é dura e frágil, que se rompida, jamais se reconstruirá. Seja antes a flexibilidade e a leveza, jamais o peso de  um destino, ou a ser fatídico, por eliminação de outras opções.

    É importante notar que todos os padrões, todas as normalidades da sociedade estão afetadas. Desde estes padrões acadêmicos da UNESP, representado por Karina, e da UNICAMP, na figura singular de Sandy, que Arte essas acadêmicas querem (esperam) fazer? Que poesia e arte fazem? Mas isso não importa, pois são formadas por essas renomadas universidades, o que elas fizerem está feito, as suas poesias ganham concurso literário, suas letras, concorrem ao Grammy. Todavia, para mim, a arte é a das ruas, dos guetos, dos esgotos, do subsolo, do sol de rachar o coco, mas isso não nos habilita a reclamar do astro rei, pois Ele é quem sabe. E, nem por isso, La Luna não tem a sua vez. Mas a sociedade não reage em nada, e se reclamam do calor, só reclamam do calor, e não param de poluir, não mudam o modo de vida, ou seja, não fazem nada para que a situação das temperaturas altíssimas (tanto no frio quanto no calor) seja revertida, para que retorne aos níveis que tínhamos antes da vida em uma sociedade industrializada, mas isso, pensam é utopia, mas de fato, só assim que o meio ambiente poderá se recuperar mais facilmente e rapidamente do estrago que causamos ao planeta, tecnologia para desenvolver processos de produção bem menos poluente e agressivo à natureza já temos, só falta convencer a todos que sucesso econômico é bem estar coletivo e não somente sua própria conta no banco.

    Desde modo, é fundamental que faça apenas a sua parte, pois isto já é o suficiente, tenha absoluta certeza, seja sincero e sempre considere o bem coletivo - despreenda-se de convenções e sabedoria e dedica-se a fazer o melhor que puder, para a melhora coletiva, assim vem o novo dia.

(continua)






CARTAZ: ENTRE NA MÚSICA ELECTRÔNICA

O CONTO DO NOCTÂMBULO:

NUNCA PENSEI QUE FOSSE CHEGAR ATÉ AQUI

INTRODUÇÃO

    Luis tem sua própria página/livro neste Blog,  O Conto do Noctâmbulo, mas, nesta edição 70, vou escrever algo inédito sobre ele, um resumo, uma síntese talvez, ou vou inverter os papéis? Seja como for, quero que Luis venha a frente deste blog,  quero que saibam que a legião  dos noctâmbulos está crescendo, ao menos é isso que vejo nas ruas.

    Luis é a síntese da revolta dos garotos,  de suas sede pelo novo. É como digo, Luis queria entrar por uma porta, ele não sabia que porta seria essa, ele sabia que queria alguma coisa nova, e eis que alguém lhe apresenta as drogas. Entretanto, ele não é só adicto compulsivo (será que tem adicto sobre controle, ou estabilizado?), ele já fez inúmeros outros crimes, coisas graves, terríveis, que até o diabo, e a Própria Luz, podem duvidar. Luis é raso, e nessa sua rasês, tudo é profundidade superficial.

    Também, Luis são vários em um só. Ele está em tudo e todos os lugares; de tudo, já fez; de tudo, já experimentou. Já teve sua vida arruinada, já viveu angústia, riso falso, riso verdadeiro, já viveu, matou e morreu, mas continua a viver; já parou de usar e voltou a usar de um tudo, não sei quantas vezes, e ele está aqui, mais uma vez. E esse é o conto dos noctâmbulos, daqueles que andam por toda a noite, contos ficcionais, mas que certamente, são o retrato de muitos por estas cidades em que nos encontramos & vivemos.



I

    _ Cê sabe que é nóis...falô aí.

    Assim diz uma figura que sai de perto de um correguinho, um riacho pequeno, onde se está muito escuro, já é tarde da madrugada, e o cara estranho vai embora, enquanto o Luis, permanece perto do riacho, fumando e vendendo sua pedra.

    Luis volta a pegar o seu velho cachimbo (feito de pedaços de não sei o quê), amarrado de um jeito tal e qual (que só eles entendem), para que os viciados possam montar e desmontar os seus cachimbos o mais rápido possível - haja engenhosidade noiada, haja noite mal vivida e vida mal sentida, vida sem sentido (e quer saber, você aí que fuma, é, você mesmo, seu tranqueia; é verdade, é o que é, fazer o quê? viu? você aí que "curte o bagulho", depois que acaba o bang, quanto que você pegou, 10, 230, 340 pedras? Não importa a quantia, elas vão acabar, e se você não tiver uma overdose, a uma única coisa que vai te acontecer, quando a pedra acabar, é que vai voltar a ser você mesmo, claro, muito mais noiado, pêgo, com dor de cabeça e mal-estar, mas ainda assim vai ser você, agora sem pedra e quer saber, nem mais vontade de usar você teria, mas quer saber? É tão tranqueia, que ainda outro dia, quando a loucura tiver amenizado, volta a se render a essa porcaria e aí, acaba com tudo). E sinto muito em dizer desse modo, mas isso acontece porque Luis ( e quem mais se enquadrar nisto aqui) insiste em seus erros erro, e nega-se  a evoluir - e largar essa merda de vício. Que coisa: Quer chapar? Pois bem, vai ver o sol, de manhã, de cara, há dias, vai lá, fazer alguém sorrir, vai resolver um probema para poder voltar a andar de cabeça erguida, aí sim vai saber o que é chapar de verdade. E segue a andar das horas tortuosas na "biqueira".

   Mas Luis nem se lembra mais, de quando começou a fumar crack, e quando consumia sua droga em latinhas de cerveja furadas - certa vez, em sonho, ele teve uma visão, onde se viu fumando pedra perto de um rio, ouvia o barulho daquelas águas, calmo e sereno, como sempre é o barulho das águas de rasos rios quando não há tempestade, entretanto, Luis não era, no sonho, nem calmo nem sereno; estava agitado pelo bang  e sempre permanecia atento, para saber qual o próximo graveto que iria ser quebrado, mas em sonho, ele não temia a polícia. Nesse sonho do rio, ele fumava em uma latinha, mas acontece que já há um ano, desde que ele voltou a fumar crack após ter conseguido ficar dois anos de cara, sem droga - mas agora, ele só fuma neste cachimbo remontável, intercambiável?

    E o sonho (pode chamar de pesadelo, também, pode ser até mais apropriado mesmo) lhe serviu de ideia, para ele ir vender crack na beira do correguinho. Meio afastado de tudo, verdade, mas tem um ponto favorável "as pessoas poderiam ir até lá comprar a droga e já usar lá mesmo", e assim, falou com o irmão da responsa, o disciplinador, e pegou a área pra ele, "balinha" de dez mano, servida, mas quem mais fuma, é o próprio cara quem vende. Mas será que o sonho não vou para dizer, "viu, Luis, faz tanto tempo que fuma essa porcaria, desde a época das latinhas, não basta já?" ?

    E agora, sempre tem gente nesta área, comprando, usando, conversando, até mesmo quem não tem dinheiro frequenta o lugar e vai vendo se alguém lhes dá o que querem. É como dizem, é um verdadeiro inferno, mas não deveríamos dizer assim, afinal, esta é a sina destas pessoas, claro, a gente fica revoltado de ver quem a gente gosta tanto, se afundar cada vez mais na pedra, no pó, nas bebidas desmedidas, mas amigos, leitores, deixemo-los em paz, deixem que eles façam o que queirem, afinal, como saber do que os espera nesta e na outra vida? Deixe, que um dia, vão recobrar os verdadeiros sentidos, modificados de tanto usar aqueles entorpecentes malditos, mas ainda assim, de um modo ou de outro, vão voltar a ser as pessoas que tanto amamos, algum dia, tenho certeza.



II

     O Instrospectivo assim postou em seu perfil no facebook, enquanto ouvia the loneliness of a middle distance runner, do Belle and Sebastian (O introspectivo faz um post mensal no face, isso quando diz alguma coisa):

     E se alguém criticar o traficante que vende droga no correguinho e/ou seus "amigos noia",  seria salutar responder:

    _Certo e daí? É a boca do cara, lorde. Ele faz do jeito que quiser. Quer saber? É até bom assim, caso algum "zé povinho" denuncie o cara, mesmo no mato, mesmo no córrego, sei lá, porque a mãe de um viciado seguiu o filho e o pegou neste lugar terrível, trocando tênis por pedras - não que a natureza seja terrível, o que é terrível é a fumaça da pedra, a noia, a brisa, a sujeira que fazem, as calças cheias de cinza, se bem que, ter as calças sujas, nem sempre é um mal-sinal - ; mas, se alguém denunciar o traficante-usuário e der flagrante, o máximo que vai acontecer com ele, é que vão enquadrá-lo como usuário, se não quiserem acabar por interná-lo involuntariamente, como um semi-louco de pedra. Mas isso ainda vai depender da decisão judicial. No mais, deixem ele ser "feliz", do jeito que ele quiser e a quem quiser saber, digo: Mesmo vendendo droga pros outros, de fato, senhores, ele tá é garantindo o uso dele de pedra todo os dias.

    E se é raro O Instrospectivo exibir suas ideias, o que dirá de dizer algo assim publicamente, na internet, mas assim o fez, ao menos nesse conto.






ARTE GRÁFICA 1, POSTAGEM 70 → A Pata do Elefante


AGREGADORA CENTELHA




Foram atrás de um poema antigo da fazenda

que falasse, sabiamente, de dilemas e de teoremas.

Para ver se descobriam como multiplicar a renda

destas terras provindas [de espólios] de guerra.


Sentenciado sobre as centelhas dos alqueires,

Veio frio intenso que tudo rompeu

 - o que era  teu & o que era meu - ,

E não há mais como os fazer voltar ser inteiros.


Seja ti, mesmo só, em triste armazém;

Atolado, sim, em imensos atoleiros. 


Ao dia em que venham os fieis tropeiros

E você, à trupe deles, eles lhe aceitem.


Enquanto eu, aguardo o dia

em que eu volte a ter a alegria.





ARTE GRÁFICA 2, POSTAGEM 70 → Alto Kosmos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado por comentar, seu comentário será publicado sem passar por moderação.